Segunda Trash| Um Lobisomem Americano em Londres

Segunda Trash| Um Lobisomem Americano em Londres

Um Lobisomem Americano em Londres é um filme clássico do terror que anda esquecido das gerações atuais fãs de muito sangue.

Um Lobisomem Americano em Londres, de 1981, só chegou ao Brasil em 1983. O filme ainda ganhou uma continuação em 1997, Um Lobisomem Americano em Paris.

Mas vou ficar apenas com o primeiro.

Na história, temos David Kessler e Jack Goodman que viajam dos Estados Unidos para conhecer a Inglaterra. Chegando em uma pequena cidade, eles vão ao bar e são friamente recepcionados. A situação piora quando Jack pergunta o porquê do local ter velas e um pentágono na parede. Ao saírem, eles caminham por uma estrada deserta e percebem que um animal está os cercando. Jack é atacado e tem seu corpo dilacerado, enquanto David fica apenas com cortes no rosto e nos ombros, o suficiente para transformá-lo em um lobisomem.

Veja também: Segunda Trash | O Ataque das Rosquinhas Assassinas

Este é um filme que possui um dos melhores efeitos especiais da época, que foi da transformação de David. A maquiagem também é uma das melhores e até hoje dá medo. Toda a dor que David passa para se transformar, dava agonia em quem assistia.

Um Lobisomem Americano em Londres

Neste filme também se definiu muitas das lendas, como a mordida de um Lobisomem transformar a quem ele tenha mordido, os fantasmas daqueles que ele matou virem o aterrorizar pois morreram antes da hora, o pentágono, a bala de prata entre outras.

Não eram novidades, mas por ser um verdadeiro marco, Um Lobisomem Americano em Londres deixou filhos nos filmes deste estilo.

Um Lobisomem Americano em Londres

Depois dele, foram poucos bons filmes com o tema Lobisomem que tivemos, ficando limitado ao universo dos RPGs com Lobisomem Apocalipse e um ou outro filme em que os licantropos aparecem, mas em sua maioria apenas parecendo enxames de abelhas e que correm, atacam e de medo não dão nada.

Este é com certeza um filme para ver ou rever!

Related Post

Deixe uma resposta