Meu início na Wicca

Meu início na Wicca

Não vou colocar o significado de Wicca e uma defesa como religião, filosofia etc. Vou apenas comentar sobre a minha experiência.

Acho isso inútil e uma defesa do que quero fazer. Parece que preciso dar uma satisfação de alguma coisa e isso não convém.

Quando nos sentimos bem com algo ou com alguém, não temos essa necessidade de explicações. E muito menos de auto afirmação.

Então vamos que ao que interessa e senta que lá vem história…

Desde pequeno tenho uma procura espiritual. Aquela inquietude sobre Deus e uma busca da verdade. Ficava preocupado com os pecados que o Cristianismo tanto impõe e que sua verdade é única. E seguiu ou conhecer qualquer outro conhecimento, era como morder a Maçã e não teria meu lugar no Paraíso.

Estudei com Testemunhas de Jeová e aprendi muito a lidar com a Bíblia, discutir e procura os diversos assuntos. Fui durante um tempo da Brasil para Cristo, com jovens que tocavam e no médio quase segui para ser Padre.

Cresci com Muçulmanos Xiitas e Sunitas, além de um casal de Judeus. E uma vizinha Budista.

Sempre estive amparado por todo tipo de filosofia e muito bem protegido.

E dentro disso tudo, o único lugar onde sempre me senti bem, foi com a natureza. Sendo na praia ou no interior. Ou alguma busca em algum parque da cidade.

Era e é ali onde me sinto completo. Com o passar dos anos, fui aprendendo a buscar a minha verdade e não a que outros impunham. E que como dito por Obi Wan Kenobi, “a verdade é um ponto de vista”.

E ela é.

Resumindo toda esta busca, parei de buscar e apenas deixar o universo continuar o seu ritmo. Afinal de contas, ele está em movimento e não adianta querer buscar tantas verdades ao mesmo tempo e nem mesmo procurar o seu lugar neste grande cosmos. Aprendi que sou parte dele, como bem dito por Carl Sagan, “somos todos poeira do universo”.

E todas estas frases e ensinamentos estiveram comigo desde a infância. O que faltava era o conhecimento.

Há uns quatro a cinco anos comprei meu Triskle, que é algo que nunca tiro do meu pescoço. Minha proteção e uma lembrança que tudo gira. Que as coisas que não terminamos podem voltar e ficam triplicadas. Pode ter muitos significados.

Há uns dois finas de semana, estive no Templo da Grande Mãe e participei de uma das festas.

Foi muito bom. O ensinamento do dia, ou melhor, da noite, mostra o quanto não mudamos nada nestes séculos.

E por aqui eu paro! Estes textos sobre Wicca, serão mais neste modo de experiência. Quanto ao que a Complicada acha disso tudo? Fica para outro post!

Related Post

Deixe uma resposta